Terça-feira, 04 de junho de 2019

Só por hoje quero aprender com a ostra que consegue formar verdadeiras pérolas. Mas isso tem um caminho e uma postura de vida. Quando um grão de areia, um parasita, ou outra substância estranha e indesejável a penetram, as células do nácar – subs–tância lustrosa encontrada no interior da concha – começam a trabalhar e cobrem o grão de areia com camadas e mais camadas, para proteger o corpo indefeso da ostra. Como resultado, uma linda pérola vai se formando. Uma ostra que não reage a tudo isso de modo algum produz pérolas. A pérola é uma ferida cicatrizada. Quero aprender não a ferir as pessoas ou me ferir, mas quero aprender a lidar e configurar tudo o que me invade, tudo o que me acontece no dia a dia. Quero aprender a transformar a dor em verdadeiras pérolas de solidariedade. Quero aprender a transformar a indiferença, possíveis acusações, rejeições, preconceitos em verdadeiras pérolas de vida. Quero cobrir as mágoas com várias camadas de amor.

Mayer, Canísio. Só por hoje. São Paulo: Paulus, 2ª reimpressão, 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *