Sábado, 9 de fevereiro de 2019

Só por hoje quero desconfiar de uma forma tradicional de pensar o amor. Quando existe desejo e boa intenção, tudo pode ser degrau, tudo pode ser trampolim para novos mergulhos. Eu posso mudar de opinião porque não estou preso ao que já passou: “Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que somando as incompreensões é que se ama de verdade” (Clarice Lispector).

Mayer, Canísio. Só por hoje. São Paulo: Paulus, 2ª reimpressão, 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *